quarta-feira, março 03, 2010

Mais um atentado imbecil contra a sociedade adulta.

Ouvi de manhã na rádio que o Estado inventou uma nova maneira de «proteger» os cidadãos contra atropelamentos. Ao que parece, quem atravessar uma estrada a menos de cinquenta metros de uma passadeira estará sujeito a uma multa. Mas há mais: agentes à paisana, em carros «descaracterizados» (como lhes chamaram), vão andar a espiar os claros agresssores que insistem em não usar a passadeira.

A coisa roça o absurdo, e é obviamente mais um passo na escravidão parcial que o Estado nos impõe. Mas, para quem gosta de argumentos utilitários, pensemos no seguinte: com os problemas de criminalidade que a sociedade portuguesa começa a apresentar (graças a deus pelo estado-social), o Estado decide pôr polícias à paisana à beira das estradas portuguesas para ver se multa alguém que passe fora da passadeira.

A isto chama-se alocação arbitrária e irracional dos recursos, conseguindo ao mesmo tempo violar o direito de um cidadão usar as próprias pernas e desperdiçar a única força policial (a do Estado) à disposição dos cidadãos. Só mesmo uma instituição como o Estado para nos brindar com tamanha imbecilidade.

PS: e sim, eu sei que já existem casos semelhantes noutros países, o que não significa nada, a não ser que outros Estados precederam o nosso na estupidez.