sexta-feira, março 05, 2010

Mais um atentado imbecil contra a sociedade adulta

Aqui. Depois dos totalitários anti-tabagistas chegaram os totalitários anti-gordura. A urgentíssima regulação da quantidade de sal no pão não chega, por isso eis uma nova causa para as autoridades se entreterem. A idiotia, e a prepotência, das patrulhas da saúde não tem, de facto, limites. Hoje, as patrulhas higiénicas são como um braço armado do Estado, dizendo-nos o que meter no nosso corpo, a que horas e com que propósitos. É a usurpação unilateral do direito de um ser humano de controlar o seu próprio corpo e, naturalmente, de o destruir. É a infantilização da sociedade, consequência natural dos «direitos adquiridos». Quando se aceita a premissa de que o Estado deve fornecer cuidados de saúde a todos os cidadãos, aceita-se implicitamente que o Estado controle o nosso corpo e, naturalmente, a nossa vida. Dado que o português comum acha o autoritarismo um sinal de progresso e está convencido da suprema moralidade do socialismo, merece tudo o que lhe venha a acontecer. E mais.