segunda-feira, março 08, 2010

O liberalismo de uns e de outros.

Tenho acompanhado, com alguma perplexidade e por vezes vontade de rir, os posts do Pedro Arroja sobre o catolicismo e a sua ideia de um Portugal de reverentes e fanáticos ajoelhados para Meca, perdão, Roma. Hoje, porém, percebi tudo. É que o senhor Pedro considera que o liberalismo começou a morrer em 2008; eu julgava que tinha sido por volta de 1900, ou para ser exacto, que o liberalismo nunca tinha chegado a existir. Assim estamos conversados. Se é a esse «liberalismo» que o Pedro se refere, não quero ter nada que ver com ele. E finalmente percebo os traços de caricatura com que ele vê o papão «liberal»: simplesmente não faz a mínima ideia do que está a falar.