sábado, março 13, 2010

Relativismo moral

E nunca, nunca, ocorre a ideia de que a redistribuição de riqueza pela coerção é... imoral. Nunca ocorre a ideia de que uma pessoa não nasce com direito a reivindicar uma fatia da produção das outras pessoas. Nunca ocorre, enfim, a ideia de que o acto de roubar deve ser condenado em qualquer circunstância, por muita «eficiência económica» ou «bem estar social» que produza. Com tanto relativismo moral, o Miguel ainda vai acabar a concordar com Milton Friedman*.

* O “rendimento básico de cidadania” que fala, aliás, é muito parecido com o «negative income tax», a menina dos olhos de Friedman.