terça-feira, junho 08, 2010

A direita que pensa em moldes socialistas (I)*

Wow, que coragem: uma crítica ao PSD vinda d'O Cachimbo. E vejam só o teor da crítica: «Acho bem que se limitem os valores das pensões na função pública se se limitarem os descontos mensais no vencimento dos funcionários actuais.» Vejam só a subtileza com que o escriba descreve uma situação impossível: nomeadamente, que os funcionários públicos recebem o seu ordenado dos impostos pagos pelo sector privado e que, ao mesmo tempo, pagam impostos sobre o seu ordenado (que é pago com impostos pagos pelo sector privado). As duas ideias são mutuamente exclusivas, infelizmente.

Saltando um parágrafo encontramos a mesma contradição, mas mais elaborada: «Já nas pensões de cargos públicos quedescontaram (os que descontaram) quatro, oito ou dez anos, e vão receber como se tivessem descontado uma vida, não só deve haver um tecto, como estas pensões [de cargos públicos] devem ser tributadas (...)» Se ali descreve uma situação impossível, aqui o escriba propõe o impossível: a tributação de pensões públicas derivadas do exercício de funções públicas. A menos que o João Miguel Gaspar ache mesmo que uma fantasia contabilística vá alterar alguma coisa na questão das finanças públicas, só podemos rezar pela sua alma e passar um minuto em silêncio pela sua cabeça.

O pior é que não acredito que o escriba seja mal intencionado ou desonesto, apenas que a sua mente ande afastada de hábitos rigorosos de pensamento.

* Achei que isto dava uma boa série de posts, dada a abundância de exemplos. Quem quiser contribuir é bem-vindo.