segunda-feira, abril 18, 2011

Comprar o que é português (II)

Já não é uma surpresa ver coisas escritas no Insurgente que envergonhem (defesa de agressão militar ou apelar ao voto no PSD, por exemplo) mas geralmente não tratam propriamente de questões económicas. Mas este disparate do “comprar português” causou-me especial comichão mental. Se o texto da Elisabete já não era propriamente bom, as respostas aos comentários críticos são ainda piores. Por um lado surgem claramente as definições errónea de termos como “acção racional no mercado” ou “competitividade”; por outro, a tentativa da Elisabete defender a causa representando mal aquilo que a causa pretende torna a sua defesa dela, na realidade, uma defesa de algo completamente distinto.

Começemos pelo princípio. O consumidor é racional nas suas escolhas? A Elisabete diz que sim, mas o que ela entende por racional não se refere à racionalidade presente em qualquer escolha (comercial ou não) mas ao conteúdo particular da escolha. O consumidor é racional na medida em que qualquer escolha (no mercado ou não) implica um fim que se pretende atingir e uma análise dos dos meios para o conseguir – essa procura de um fim e essa análise dos meios é feita pelo meio da razão. Logo, o indivíduo enquanto consumidor é racional. Isto não implica, porém, que a análise não seja falaciosa ou errónea nem que o fim seja, em si, inteligente ou justificável. A Elisabete, porém, diz que sim. Por exemplo: «acredito ser economicamente impossível “pessoas voluntariamente serem proteccionistas”, pois isso implicaria fazer reiteradas escolhas irracionais»». Porém, ser proteccionista consiste em preferir comprar o que é produzido num determinado país em vez de o que é produzido noutro – geralmente, implica preferir também o mais caro e o inferior nacional ao mais barato e ao superior internacional. Essa escolha, sendo originada por uma análise do preço, da qualidade e da componente emocional que liga a pessoa ao país de origem, é não irracional mas profundamente racional. Significa simplesmente que o custo monetário e de qualidade é subjectivamente inferior ao custo emocional de consumir produtos estrangeiros na mente do consumidor. E isso significa, tal como a causa “560”, ser “voluntariamente proteccionista” - sem ser irracional. Ser racional, no entanto, não põe de parte a possibilidade de ser estúpido, ignorante ou mal informado. E um proteccionista é sempre um pouco das três coisas – apesar de ser praxeologicamente sempre racional. E essa escolha, ao contrário do que a Elisabete diz, não implica ficar sempre prejudicado. Pelo contrário, preferir comprar nacional e caro ao estrangeiro e barato, em si não implica prejuízo. Claramente um nacionalista considera o lucro emocional da sua escolha superior ao custo monetário da mesma. Logo, não fica prejudicado. Fica, necessariamente, beneficiado. Existem benefícios além dos monetários. Noutro comentário a Elisabete diz que o seu post pretendia demonstrar precisamente que o “homo economicus” não existe e que existem considerações exteriores às simplesmente económicas. O seu comentário de que alguém voluntariamente proteccionista fique sempre prejudicado diz exactamente o contrário, como mostrei acima.

Outro ponto muito curto: a Elisabete diz que a tal tendencia voluntariamente proteccionista nunca teria um número muito extenso de fanáticos. Mas quase oitenta mil pessoas subscreveram a coisa no facebook. Se isso não é uma legião de pessoas mal informadas (voluntariamente proteccionistas), não sei o que será.

Mas se a Elisabete pretendia de facto negar o “homo economicus” ao defender a causa “560”, então mostra ainda mais confusão mental. Porque os argumentos da causa são tudo menos emocionais ou culturais. Não se apela à compra do que é português por ser português, por cultura, por amor ao país ou outra consideração não-económica. Apela-se por razões puramente económicas, como criar emprego e dinamizar empresas. O objectivo é expresso abertamente, e consiste em ajudar a economia portuguesa a sair da lama. E estando no plano económico, podemos analisar a coisa nesse prisma. E a verdade é que, embora as intenções sejam boas, os meios são completamente inadequados para os fins, como quase toda a gente que comentou o post percebeu e explicou (vantagem comparativa e tal e coiso).

Outro problema: a definição de competitividade e de produtos competitivos. A Elisabete diz que “uma “mentalidade compre 560″ só é racional enquanto os produtos portugueses forem competitivos”. Ora, voltamos ao problema de que mesmo preferir coisas mais caras e de menos qualidade por razões emocionais não é em si irracional – e logo, é competitivo na mesma, a partir do momento em que alguém racionalmente prefere os custos monetários aos custos emocionais, etc. Uma empresa ou produto competitivo é simplesmente uma empresa ou produto que gera lucro – ou seja, que alguém voluntariamente compra. Logo, é possível que um consumidor prefira e sustente – por razões puramente emocionais – uma empresa portuguesa que venda caro e de má qualidade em detrimento de uma estrangeira que venda a mesma coisa mais barata e de mais qualidade. Ou seja, é igualmente competitiva.

Dito isto, é perfeitamente legítimo (e racional) preferir por razões emocionais o caro ao barato e a qualidade inferior à qualidade superior. Mas acontece que as razões da causa “560” não são emocionais. São económicas. E se o objectivo é melhorar as condições económicas do país, então a causa é absurda, porque os meios escolhidos não geram o fim pretendido, pelo contrário. Um liberal, por isso, deveria tentar educar os coitados que acreditam naquela forma peculiar de proteccionismo, em vez de insistir na asneira e acrescentar mais umas à lista como a Elisabete faz.

Sem comentários: