sábado, abril 30, 2011

RE: distributivismo, capitalismo, etc. (I)


Não sei onde é que o Manuel leu a minha acusação de preguiça ou o meu amor incondicional por John Galts. No meu texo é que não foi, e desafio-o a citar-me (coisa que, dada a impossibilidade de provar o que disse através de citações, obviamente não faz). Basta dizer que não usei a palavra, o conceito ou sinónimos de preguiça nem os atribuí de forma alguma ao Manuel, aos seus colegas ou a católicos em geral; e digo, para quem não souber, que não gosto particularmente da filosofia (política e a outra) da Ayn Rand, e muito menos da sua idealização fútil do empresário-herói e da “minoria mais oprimida” (big business). Mas adiante.

Volto então a reiterar duas posições que são indissociáveis da minha, mais geral, posição sobre a ordem social. Primeiro, que é perfeitamente possível (embora improvável) que uma ordem natural (também chamada “sociedade de lei privada” ou “anarco-capitalismo”) gere um mundo perfeitamente distributivista. O que é necessário é entender que um tal mundo não poderia sustentar a corrente população mundial. Mas é possível que as escolhas voluntárias dos indivíduos (ou, para não embarcarmos em discussões semânticas fúteis, pessoas) deixadas em paz e em liberdade para disporem dos seus recursos gere uma tal sociedade e uma tal diminuição da população mundial. E que, embora seja defensor da industrialização (demoníaca, claro), não sou a favor de industrialização forçada (por meio do Estado e da violência).

Segundo, a escola austríaca é primeiramente uma escola de pensamento económico, mas o trabalho de Mises, de Rothbard e de Hoppe inclui também uma vertente não cataláctica (do estudo da acção enquanto tal, e não apenas do estudo dos fenómenos económicos). Mas é até curioso que o Manuel acuse os austríacos (sempre bastante cuidadosos na sua interdisciplinaridade e sublinhando sempre a limitação dos seus estudos) quando a sua recém-adquirida filosofia política é, em si, uma tentativa de aplicação do catolicismo ao reino (integrado mas contido e separado) da política e da economia. Como pessoa religiosa, tendo a ser crítico desta sobre-interpretação dos assuntos divinos para decidir e opinar assuntos que são essencialmente científicos (economia e política), embora, como disse, integrados na moral religiosa, como tudo o resto na vida. Acho que essa sobre-interpretação é não só errónea como prejudicial à vivência da religião em si. Mas por muito que tente fugir a este estigma, é difícil quando se discute com distributivistas, porque é precisamente isto em que consiste a sua filosofia e atitude. Se existe uma economia católica, porque não arquitectura católica? Ou será que as catedrais foram construídas com um conhecimento exterior aos ensinamentos da Igreja, sem no entanto constituirem uma afronta aos mesmos? Tudo isto para dizer que a acusação do Manuel de que a escola austríaca opina, sob a sua lupa limitada, sobre tudo e mais alguma coisa é, além de falsa, ridícula vinda de quem estabelece para si critérios que, no fundo, consistem naquilo de que acusam os outros.

Quanto às “refutações” dos meus argumentos temo bem que a má representação do que eu escrevi continue. Ora vejamos:

Eu nunca escrevi que não existem formas de acção e cooperação além da obtenção de lucro monetário (embora, praxeologicamente, toda a acção procure obter “lucro” – ou seja, obter um resultado mais satisfatório do ponto de vista do actor - que pode ser, e na grande maioria dos casos é, puramente psicológico e moral, e não monetário). Apenas escrevi, e volto a escrever, que a única forma de haver cooperação entre milhões de pessoas é através do mercado – dado, precisamente, o personalismo que o Manuel usa como objecto de arremesso contra tudo o que não lhe agrade. O que o Manuel entende por sociedade acapitalista não se sabe o que seja, porque aparentemente a palavra capitalista serve, como para os esquerdistas, para descredibilizar tudo e o seu contrário. Pedia-lhe, pois, que definisse capitalismo nos seus termos para eu poder discutir seriamente sem ser acusado de escrever coisas que efectivamente não escrevi.

No segundo ponto, mais uma vez, não sei a que se refere como “pensamento capitalista”, nem eu sugeri aquilo que penso que está a dizer que sugeri. Por isso, peço outra vez clarificações.

Quanto ao uso do Estado por parte de “grandes capitalistas” para invadir a propriedade de “pequenos capitalistas”, o Manuel já devia saber a minha opinião, dado que sou anarquista. Naturalmente, considero ilegítimo, condenável e repulsivo. Mas, e mais uma vez, nem toda a industrialização foi assim conseguida nem é necessário que assim seja. É apenas o processo natural de intensificação da divisão do trabalho e o processo pelo qual as pessoas escapam à miséria. Quanto aos “preços baixos” de que fala, o Manuel devia aprender o que é “produtividade marginal” para não se embaraçar publicamente com esse tipo de argumentos. E ainda, o “controlo sobre a própria alimentação”, é uma obsessão que eu não entendo. A forma mais simples e “económica” (uma palavra herética, parece) de um pintor, de um escritor ou de um carpinteiro obterem alimentos não é produzindo-os eles mesmos, mas trocando o seu trabalho por um meio de troca (dinheiro) e voltando a trocá-lo por alimentos – não só porque, se fossem eles a produzi-los, não teriam tanta variedade ou qualidade; mas além disso, seguindo o raciocínio até à sua consequência lógica, não haveria pintores, escritores ou carpinteiros, dado que seriam obrigados a ser agricultores. Se alguma coisa permitiu o avanço moral, cultural e material da humanidade foi o facto da maior produtividade do trabalho permitir uma maior especialização fora da agricultura (ou seja, fora dos meios de subsistência em si mesmos) – razão pela qual sociedades primeiramente agriculturais não geram grandes poetas ou grandes compositores.

Quanto aos argumentos “materialistas” dos “austríacos” - se o Manuel tivesse lido as primeiras cem ou cento e cinquenta páginas do Human Action sabia certamente que estava a dizer uma parvoice de todo o tamanho.

Mas acho especialmente engraçada a interpretação enviesada que liga a industrialização (em si, e não os meios estatistas pela qual, muito possivelmente, foi feita) aos males morais da humanidade. Quem o lê pensa certamente que eu sou um fervoroso defensor de doenças venéreas e do divórcio. Ou da democracia. A isto chama-se, em bom português, pure nonsense. O Hans-Hermann Hoppe explica a proliferação desses comportamentos em grande detalhe no Democracy: The God that Failed – e recorre, como tem de recorrer, ao facto inegável da “preferência temporal” e dos factores que influenciaram o seu aumento geral (não a industrialização e a intensificação do mercado, que são pelo contrário factores de diminuição de preferência temporal, mas o crescimento do estatismo – que se explica, naturalmente, não porque obtivemos automóveis ou papel higiénico, mas porque a opinião pública foi infectada por pensamentos socializantes, incluindo os do “pensamento social católico”).

Mais uma vez, quanto às “coisas patrocinadas pelo Estado”, digo o mesmo: é uma falácia lógica dizer que o facto do Estado ser um mal, e patrocinar certos avanços tecnológicos, que os avanços tecnológicos são maus e que não poderiam ter surgido de outra forma. Como diria o Hoppe, o facto de macacos andarem de bicicleta não significa que só os macacos andem de bicicleta.

Depois o Manuel volta à tal coisa que eu não sei o que será mas que a escola austríaca supostamente “preconiza”: a mentalidade capitalista. Clarificação, clarificação.

E por fim, gostava de saber que propósito foi esse que criou “a internet e a bomba atómica”, e volto a chamar a atenção para a falácia lógica em que o Manuel incorre (embora a internet tenha sido o produto do exército americano, a sua disseminação e função social foi o produto de indivíduos, perdão, pessoas privadas).

O meu desaparecimento da blogosfera? Só em férias ou aos sábados.

Sem comentários: