quinta-feira, maio 15, 2014

A propósito do Voteman.

Apesar da qualidade cómica do video, a mensagem do mesmo, se existe, é difusa.

Afinal, o que é que o Voteman representa? Uma crítica à abstenção e à indiferença? Uma crítica ao peso da UE nos destinos dos seus membros? Uma simples tentativa de levar os jovens a votar nas eleições europeias? Uma crítica aos idiotas que pretendem instituir a preciosidade liberticida do voto obrigatório? Um apelo disfarçado a essa preciosidade? All of the above?

O video foi encomendado e publicado pelo parlamento dinamarquês e, apesar de todas as hipóteses acima serem, em teoria, possíveis, o mais provável é mesmo que seja uma simples tentativa de levar os jovens a votar. A questão pertinente é: porquê?

É certo que a UE se instromete cada vez mais nos desígnios nacionais, mas é dúbio que votar sirva para mudar esse triste destino. A verdade é que é largamente irrelevante, e tal como na democracia interna, o futuro da democracia europeia é traçado sem qualquer feedback dos eleitores. E não falo apenas dos referendos repetidos e outras fraudes do género. Falo das intenções dos burocratas de Bruxelas e de como votar não as altera em nada, nem altera a realização dessas intenções.

A história do Voteman, para ser realista, devia ser outra: um jovem vai votar nas eleições europeias e a única consequência é ter perdido uma ou duas horas num exercício fútil e cosmético.

Entretanto, aproveitem para não ir votar. Enquanto podem.

Sem comentários: